No último dia 24, a Diocese de Formosa se alegrou pela eleição de seu 4º Bispo Diocesano: Dom José Ronaldo Ribeiro. Mas, além da alegria pela presença do Pastor, também devemos saber qual a missão do Bispo, quem ele é, qual o seu papel na Igreja.

O Catecismo da Igreja Católica afirma que os Bispos são sucessores dos Apóstolos. Jesus, quando fundou na pessoa de Pedro a Sua Igreja (cf. Mt 16, 18), deu a ele e aos outros Apóstolos o encargo de governar a Igreja e ensinar e santificar o povo de Deus. Com a morte dos Apóstolos, em seu lugar foram ficando homens escolhidos para continuar a missão a eles confiada. Isso é o que chamamos de Sucessão Apostólica. Através do Sacramento da Ordem no grau do Episcopado, os Bispos continuam a exercer a missão apostólica em cada Diocese que estão presentes.

Santo Inácio de Antioquia (+107) afirmou que o Bispo é “typos tou patros”, ou seja, é como a imagem viva de Deus Pai. Por isso devemos amá-lo e respeitá-lo como pai, pois ele, em nome de Deus e exercendo sua paternidade, é aquele que exorta, que confirma na fé, que repreende quando necessário. Na pessoa do Bispo podemos enxergar de forma evidente a presença de Cristo Bom Pastor que nos conduz com amor através de seus representantes.

No cânone 375 do Código de Direito Canônico lemos que “os Bispos, que por divina instituição sucedem aos Apóstolos, são constituídos, pelo espírito que lhes foi conferido, pastores na Igreja, a fim de serem também eles mestres da doutrina, sacerdotes do culto sagrado e ministros do governo”. Ao Bispo cabe o múnus de ensinar: exortando o seu rebanho na fidelidade à Palavra, na obediência à Igreja, na vivência da Fé Católica, no amor mútuo, em comunhão com o Papa. Ele não ensina aquilo que é do seu pensamento, mas transmite ao povo o Depósito da Fé, a Doutrina de Cristo pela qual tantos cristãos entregaram sua vida e entregam até hoje. Cabe a ele também a tarefa de governar. O Bispo exerce também sobre a Diocese a autoridade hierárquica. Em comunhão e obediência ao Sumo Pontífice, o Bispo tem a autoridade de governo sobre o clero e sobre os leigos de sua Diocese. Tem também a tarefa de santificar. Ele tem a plenitude dos graus do Sacramento da Ordem. Pelo seu sacerdócio pela oração e celebração dos Sacramentos, deve levar o povo que lhe foi confiado a trilhar o caminho da santidade.

O Bispo não é bispo para si, mas o é para o povo de Deus. Deus nos conduz por sua mão na pessoa de seus ministros. Por isso, é de extrema importância a nossa oração, a nossa veneração e o nosso respeito aos ministros Ordenados, especialmente ao Bispo. Por isso, não nos cansemos de nos dirigir a Deus pedindo que Ele abençoe, fortaleça e conduza os nossos Padres e nosso Bispo. Lembremos que são homens, não anjos. São homens que trazem valiosos tesouros, mas em vasos de barro. Rezemos insistentemente para que tenhamos Pastores segundo o Coração de Deus.

Sem. Ozias Xavier