Aconteceu na cidade de Formosa nos dias 02 e 03 de agosto, na Paróquia Cristo Rei, o curso ministrado pelas leigas consagradas do Sistema Integral de Nova Evangelização (SINE), chamado Escola da Fé que traz uma proposta nova de ordenamento da catequese diocesana. O curso foi organizado pela Equipe Diocesana de Catequese e dirigido a todos os catequistas da diocese. Estiveram presentes 136 pessoas dos 187 inscritos, dos quais 133 vieram de 16 das 27 paróquias da diocese de Formosa,  2 da Diocese de Diamantino – MT e 1 leiga que partiu em missão da Arquidiocese de São Paulo – SP para Belém – PA.

A Escola da Fé é um projeto de catequese moldado nos documentos da Igreja, que exige uma catequese permanente, vivencial, doutrinal e querigmática, em que as crianças e adolescentes sejam muito mais que preparados para a celebração dos sacramentos de eucaristia (primeira comunhão) e crisma, mas preparados para a vivência cotidiana da fé. Além de catequizados, introduzidos no conteúdo doutrinal da Igreja, os catequizandos são evangelizados, capacitados para se tornarem cristãos adultos, solidificados na fé. Abrange uma formação completa e sistemática que vai dos 3 aos 16 anos.

Nesta linha, o Documento de Aparecida, n. 298 afirma: “A catequese não pode ser só ocasional, reduzida a momentos prévios aos sacramentos ou à iniciação cristã, mas sim ‘um itinerário catequético permanente’ ”. A Exortação Apostólica Catechesi Tradendae, n. 19: “A especificidade da catequese, distinta do primeiro anúncio do Evangelho que suscita conversão, visa o duplo objetivo de fazer amadurecer a fé inicial e de educar o verdadeiro discípulo de Cristo, mediante um conhecimento mais aprofundado e sistemático da Pessoa e da mensagem de Nosso Senhor Jesus Cristo. Na prática, porém, a catequese, mantendo embora esta ordem normal, deve ter em conta que muitas vezes não se verificou a primeira evangelização. […] Tudo isto equivale a dizer que a catequese muitas vezes há de ter a preocupação, não só de alimentar e esclarecer a fé, mas também de  avivar incessantemente com a ajuda da graça, de lhe abrir os corações, de converter e preparar aqueles que ainda estão no limiar da fé para uma adesão global a Jesus Cristo. Tal cuidado ditará, pelo menos em parte, o tom, a linguagem e o método da catequese.”

Também as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil 2011 a 2015 (94), nn. 85-86 afirmam: “Nos dias atuais, a catequese de inspiração catecumenal, que equivale ao processo de iniciação cristã, adquire grande importância, não limitada a crianças. Trata-se de uma catequese não ocasional (apenas na ocasião de preparar-se para receber algum sacramento), mas continuada. Isso implica melhor formação dos responsáveis e um itinerário catequético permanente, assumido pela Igreja Particular, com a ajuda da Conferência Episcopal, que não se limite a uma formação doutrinal, mas integral, à vida cristã. A inspiração bíblica, catequética e litúrgica é condição fundamental para a iniciação cristã de crianças, bem como de adolescentes, jovens e adultos que não foram suficientemente orientados na fé e nas obras inspiradas pela fé. É necessário desenvolver, em nossas comunidades, um processo de iniciação à vida cristã, que conduza ao “encontro pessoal com Jesus Cristo”, no cultivo da amizade com Ele pela oração, no apreço pela celebração litúrgica, na experiência comunitária e no compromisso apostólico, mediante um permanente serviço aos demais.”. Todos esses anseios a Escola da Fé procura tornar concretos.

Ao final do encontro percebeu-se que os catequistas voltavam para casa animados, pois lhes foi oferecida uma alternativa às suas necessidades enfrentadas nas diversas realidades e que até então não sabiam como resolver. Mas ao mesmo tempo uma preocupação com a implantação devida aos desafios que enfrentarão. A eles será necessário coragem, perseverança e paciência. Não se muda tudo de uma vez. Principalmente quando até mesmo os erros fazem parte de uma estrutura. Mas é necessário dar passos precisos em direção à verdadeira conversão pastoral que tanto a Igreja pede em todas as esferas eclesiais nos dias atuais.

Pe. Rosemberg Batista Lopes
Assessor Diocesano da Catequese