“A verdade se impõe; a verdade ilumina; a verdade liberta. Um filme sobre Irmã Dulce só teria sentido se fosse expressão da verdade de sua vida. Não fosse verdadeiro, os primeiros a criticá-lo seriam os que a conheceram”, relatou o arcebispo de Salvador (BA) e Primaz do Brasil, dom Murilo Krieger, sobre longa metragem “Irmã Dulce”.
O lançamento do primeiro filme sobre a vida e missão da religiosa, Irmã Dulce, acontece no próximo dia 27 de novembro. No dia 13, o longa já entrou em cartaz nas regiões Norte e Nordeste do país.
O filme retrata com fidelidade e verdade o testemunho cristão da freira beatificada em 10 de dezembro de 2010, pelo papa Bento XVI, em Salvador. A beata recebeu o título de Bem-Aventurada Dulce dos Pobres, tendo o dia 13 de agosto como data oficial de celebração de sua festa litúrgica.
 
Produção
Com direção de Vicente Amorim, roteiro de Anna Muylaert e L.G. Bayão, além da produção assinada por Iafa Britz, o longa-metragem, filmado em Salvador, mostra momentos marcantes da trajetória da beata.
O longa destaca o cuidado e o relacionamento de “mãe e filho” entre a freira e João, um menino pobre que  pede abrigo à irmã após a família ser retirada de casa. Na infância e na vida adulta dele, Irmã Dulce o salva duas vezes da morte: retirando-o do ônibus após acidente em frente ao convento e quando criminosos o ameaçam de morte por conta de uma dívida.
Fonte : CNBB
Veja o trailer oficial do filme “Irmã Dulce”:

 

5 motivos para ver o filme “Irmã Dulce”

Reproduzimos aos nossos leitores um artigo do Blog o Catequista a respeito do lançamento do filme que retrata a vida da Irmã Dulce, “um filme que evangeliza”. A equipe do blog participou da pré-estréia no Rio de Janeiro, onde o filme está agora em cartaz nos cinemas.

“Amar o próximo como a ti mesmo“: como eu vivo esse Mandamento de Cristo? Essa é a pergunta que atravessa como um punhal o coração de cada expectador do filme “Irmã Dulce”, que estreia dos cinemas nesta quinta-feira (27).

O filme é inspirado em fatos reais da vida da pequena freira baiana, que viveu e morreu com fama de santidade. Nascida em uma família de classe média, Irmã Dulce passou boa parte da infância ajudando os mais pobres, e depois consumiu-se de amor por eles em 60 anos de vida religiosa.

A equipe do nosso blog esteve na pré-estreia no Rio de Janeiro, e podemos garantir: O FILME É BOM DEMAIS! O roteiro é simples e a história de irmã Dulce não é contada em seus mínimos detalhes – nem poderia ser, dado o tamanho de sua obra. Mas os pontos fortes do filme brilham muito mais do que os pontos fracos. Para os católicos, em especial, é um programa imperdível, e certamente agradará a grande maioria.

Destacamos a seguir cinco motivos pelos quais você vai amar ver esse filme!

1. O filme comunica os elementos da fé católica com integridade

Muitos filmes que abordam temas relacionados ao universo católico acabam escorregando no quiabo, sendo comuns as distorções sobre a doutrina e as tradições católicas. Mas “Irmã Dulce”, nesse quesito, é notal 10!

A personagem da santa é apresentada como uma autêntica freira católica – uma mulher feliz em sua vocação, profundamente orante e submissa às leis da Igreja. Muito mais do que uma mera “agente social”, Irmã Dulce é retratada como uma mulher que realiza intensamente a sua maternidade.

2. O filme é respeitoso com a Igreja

O filme não esconde – e nem deveria esconder – que Irmã Dulce teve que lutar contra a incompreensão de seus superiores. A missão à qual a santa é impelida por Jesus a realizar (que inclui o socorro aos desvalidos até no meio da madrugada, se necessário) entra em conflito com as regras de sua congregação, que possui normas e horários rígidos. A Igreja, afinal, não está aí há mais de 2 mil anos há toa: em tudo há disciplina e ordem.

Essa realidade é contrabalanceada, porém, por uma tolerante flexibilidade, que em três ocasiões permite que a disciplina se relativize para dar apoio às obras de Irmã Dulce. O justo rigor e o justo amor, assim, se harmonizam sempre no seio da Santa Igreja.

3. O filme é bem-humorado

O gênero do filme é certamente o melodrama. Mas isso não impede que o bom humor de Irmã Dulce (muito sutil e elegante) delicie o espectador em várias cenas.

4. O filme é emocionante na medida certa

Não há pieguice no filme. O enredo se desenrola de forma a despertar uma emoção franca, impossível de deter pela própria realidade dos fatos.

Sim, são muitas cenas de pobreza, humilhações e dificuldades, mas ninguém deixa a sala do cinema triste: o espectador fica com a encantadora sensação de que essa vida vale a pena ser vivida, especialmente se for uma vida doada e compartilhada com amor.

5. O filme evangeliza

A centralidade da mensagem evangélica – amar o próximo como a nós mesmos – é comunicada com louvor. Ali estão mostrados os frutos de uma vida radicalmente entregue a Cristo, na castidade, renúncia, humildade, perseverança e fé.

Com informações de “O catequista” por Zenit.org.