Sábado da 5ª Semana do Tempo Comum
Evangelho – Marcos 8,1-10

Em tudo devemos dar graças a Deus!

Que preciosidade é o Evangelho proposto pela liturgia deste sábado! A passagem bíblica do Evangelista São Marcos nos ajuda a compreender ainda mais a fé que professamos a cerca de Nosso Senhor Jesus Cristo, que é Verdadeiro Deus e Verdadeiro Homem. Essa verdade de fé, que foi definida no Concílio de Niceia no ano 325 da era cristã, contém “o mistério central da nossa fé e é também a verdadeira chave da nossa catequese cristológica” já nos ensinava São João Paulo II em sua audiência no dia 27 de janeiro de 1988.

Podemos contemplar a sensibilidade de Nosso Senhor para com as pessoas que lhe acompanhavam durante três dias, e além de não terem nada para comer, muitos estavam longe de suas casas. É de admirar a preocupação que Nosso Senhor tem para com cada pessoa, sabendo que alguns até podem desfalecer pelo caminho, por falta de comida (cf. Mc 8,2-3). Como alguém pode afirmar que Nosso Deus e Senhor, Jesus Cristo, não tem um coração de homem? Antes mesmo que algum dos apóstolos demonstrasse alguma preocupação para aquelas pessoas, Nosso Senhor Jesus já expressava sua compaixão por aquele povo.

Louvai o Senhor, porque ele é bom; porque eterna é a sua misericórdia” (Sl 117,1). Esta deve ser nossa atitude, agradecer e louvar a Deus Pai por ter enviado seu Único Filho para se compadecer de nossos sofrimentos. E devemos ser muito mais agradecidos, pois Nosso Senhor Jesus Cristo não só tem compaixão por nós, Ele também nos tira de nossas angustias. O que humanamente seria impossível providenciar em meio do deserto, comida suficiente para mais de quatro mil pessoas, Nosso Senhor Jesus o soluciona com apenas sete pães e alguns peixinhos. E desses alimentos, nos relata São Marcos, todos comeram, ficaram satisfeitos e ainda sobraram sete cestos (cf. Mc 8,4-8).

Com um Deus assim, não existe situação para desanimar ou perder a esperança! Pois antes  mesmo de nos preocuparmos, Nosso Senhor já se compadece por nós; antes mesmo de buscarmos a solução para nossos problemas, Ele já os tem solucionados; antes mesmo de pensarmos em amar, Nosso Senhor nos ama por primeiro (I Jo 4,19).

São Paulo, uma vez que experimentou a força desse amor, passa a proclamar que não devemos nos preocupar com nada, pois em qualquer situação sempre estaremos unidos a este amor que Jesus tem por nós (Rm 8, 32-37). Por isso em tudo devemos dar graças a Deus, como já nos ensinava o mesmo apóstolo Paulo: “Em todas as circunstâncias, dai graças, porque esta é a vosso respeito a vontade de Deus em Jesus Cristo” (I Tes 5,18).

Maria Santíssima também expressou, com um belo canto (Cf. Lc 1,46-55) a grandeza do amor de Deus que ela vivenciou. Que pela intercessão de Nossa Queria Mãe, todos nós possamos alcançar a virtude da gratidão, e junto com todos os anjos e santos poder louvar a Deus em todos os momentos de nossa vida.

Que assim seja!

Padre Fláunei Alves Pereira
Em estudos de Direito Canônico na Espanha


Leituras: 1Rs 12,26-32;13,33-34 / Sl 105 (106)
Evangelho: Mc 8,1-10