imageNo encontro com os fiéis para a oração do Angelus deste domingo (13/09), o Papa refletiu sobre a passagem do Evangelho de Marcos em que Jesus anuncia que deverá sofrer, morrer e ressuscitar.

“Jesus explica aos discípulos que Ele é um Messias humilde e servidor. É o Servo obediente à vontade do Pai até o sacrifício completo da própria vida. Dirige-se à multidão e alerta: “Se alguém me quer seguir, renuncie-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me”.
O Pontífice disse aos romanos, turistas e peregrinos que lotaram a Praça São Pedro que “seguir Jesus significa assumir a própria cruz e acompanhá-lo em seu caminho, um caminho incômodo, que não é o do sucesso ou o da glória passageira, mas o que conduz à verdadeira liberdade, que liberta do egoísmo e do pecado”.
“Implica rejeitar firmemente a mentalidade mundana que coloca o próprio “eu” e seus interesses no centro da existência e perder a própria vida por Cristo e o Evangelho, recebendo-a realizada, renovada e autêntica”.
“Este é o caminho que conduz à ressurreição”, afirmou o Papa. “Decidir segui-Lo, o nosso Mestre e Senhor que se fez Servo de todos, exige uma união forte com Ele, a escuta atenta de assídua de sua Palavra (ler uma passagem do Evangelho todos os dias) e a graça dos Sacramentos.
A este ponto, o Papa Francisco acrescentou algumas palavras ao seu discurso escrito e disse:
“A Praça está cheia de jovens moças e rapazes. Eu lhe pergunto apenas: Vocês já sentiram vontade de ouvir Jesus mais de perto? Pensem, rezem e deixem que o Senhor lhe fale”.
Após os longos aplausos dos fiéis, o Papa concedeu a todos a sua bênção apostólica, fazendo seus votos de bom almoço e ‘arrivederci’. (CM)

Fonte: Rádio Vaticano