Sentado em minha cama sem ter quase nada para fazer, decidi pegar carona com as mídias que eu uso para ir nalgum lugar. Entes, porém, tive que ir para a beira da estrada de minhas publicações e não ter receio de estender a mão para todas as postagens que eu tinha realizado ou que tinha recebido. Nesta carona, em certos momentos, parecia que os carros midiáticos das postagens passavam desgovernados. Tinham de todo tipo. Um por um era diferente, mas olhando todos juntos era uma única chusma. Cadê a reflexão nestas mídias? Tudo para mim não passa de um “copiar e colar”. 

As mensagens chagam prontas e vão prontas. Permaneço na beira da estrada das mídias. De vez em quando alguns ainda arriscam dizer alguma coisa sensata quando não se limitam a um sorriso de figurinha. No, entanto, se percebe muita gente “Online” em quase todas as mídias! Fazendo o quê? Pensando: “quem eu sou”, “de onde eu venho” e “pra onde eu vou”? Estão às margens daquilo que usam. À beira de um “estar ocupado com mídias que não me faz pensar”, encontrei um comentário, o qual merece destaque porque são tão rasos quanto à profundidade intelectual que se possa tirar de todas estas mídias. O texto dizia: “As lágrimas são sua maneira de expressar seu amor, sua alegria, sua sorte, suas penas, seu desengano, sua solidão, seu sofrimento e seu orgulho”. O comentário: “é assim que estou hoje”. Noutras vezes encontrei: “sempre é bom te encontrar um pouquinho todos os dias”, pois “você perfuma a minha vida com sua presença diária”.

Com temas variados as postagens chegavam a mim ou eu fazia-as chegarem a alguém. Eu estendi a mão, pedi ajuda. Decidi que eu mesmo iria estender a mão senão para receber ao menos para dar. Logo, dentei dar carona sendo que ainda eu não tinha conseguido a minha própria: “Deus cria algumas pessoas com tanta perfeição que a meu ver todo e qualquer padecimento se torna uma Injustiça. Que suas Lágrimas de sonhos reguem os corações injustiçados”.  Em síntese, ainda não consegui ninguém que quisesse pegar carona com as mídias e fizesse delas uma fonte de inspiração acadêmica.

Continuo aqui, sentado em minha cama, recebendo sorriso de figurinhas e colagens de textos prontos. Pelo menos pergunto – sem nenhum conforto intelectual: “estou dando carona ou pegando carona com as mídias”?

 Por Pe. Joacir d’Abadia, pároco em Alto Paraíso-Go, autor de 7 livros Coodenador da Pastoral da Educação da Diocese de Formosa [email protected] / Facebook: Joacir S. d’Abadia Whatsapp (61) 99315433