Quarta-feira da XXVII Semana do Tempo Comum
Evangelho – Lucas 11,1-4

No Evangelho de hoje Jesus está em certo lugar orando. É um testemunho tão bonito para seus discípulos, que eles pedem a Ele: “Ensina-nos a orar”! Com certeza tinha algo especial naquele jeito dele orar que despertou a atenção dos discípulos. O que havia de tão diferente na oração dele que despertou aquele desejo de orar como Ele? Eles tinham o costume de orar como de fato os judeus oravam, inclusive com a oração dia Salmos. Mas Jesus trazia uma novidade na oração.

E ao ensiná-los a orar, descobre-se a novidade: a oração filial. Chamar Deus de Pai e um Pai de todos nós! Somos filhos Dele e portanto irmãos entre nós!

O Papa Francisco em suas catequeses sobre o Pai Nosso, diz que Jesus nos convida a rezar essa oração fazendo cair as barreiras da sujeição e do medo: “Deus é o Pai que tem uma imensa compaixão por nós e quer que os seus filhos lhe falem sem medo, diretamente, chamando-o ‘Pai’. Por isso, podemos contar-lhe tudo, também as coisas que na nossa vida permanecem distorcidas e incompreensíveis. Rezemos o Pai Nosso simplesmente começando assim: ‘Pai’ ou ‘Papai’! E Ele nos entende e nos ama tanto!”

A expressão original é Abba, que quer dizer “paizinho querido“. Portanto, somos convidados hoje a fazer essa oração filial, com verdade da alma. Deus é meu paizinho querido, e vou me relacionar com Ele como filho amado. Tire um bom tempo hoje de seu dia e fique na presença desse Pai Amoroso, e experimente a alegria de falar ao coração de Deus, descansar no teu colo paterno, e revigorar suas forças para seguir em frente!

Deus te abençoe sempre!

Padre Joaquim Regis Filho
Pároco da Paróquia São Domingos de Gusmão em São Domingos–GO