Quinta-feira depois da Epifania do Senhor
Evangelho – Lucas 4,14-22a

Jesus,  Redentor do Homem!

No Evangelho de hoje, ouvimos: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu para anunciar a Boa-Nova aos pobres; enviou-me a proclamar a libertação aos cativos e, aos cegos, a recuperação da vista; a mandar em liberdade os oprimidos, a proclamar um ano favorável da parte do Senhor.” Lc 4,18-19.

Nestas palavras pronunciadas pela boca de Jesus, na sinagoga, retiradas do livro do profeta Isaías, vai-se observando o cumprimento das promessas de Deus, em vista da Salvação da humanidade. Estamos ainda no tempo do Natal, vivendo as alegrias do nascimento de Jesus. Cada vez mais, fica evidente que Jesus, cujo nome significa: Deus Salva, é o redentor da humanidade.

O evangelho apresenta o programa de sua missão salvífica, pleno da presença do Espirito Santo, é enviado para libertar todo homem e mulher, do mal e dos males que afligem a humanidade. O acolhimento de Jesus na vida gera libertação.

Muitas são as situações pessoais, familiares, afetivas, comunitárias, sociais, políticas que tem oprimido a vida das pessoas e de nações inteiras. As estruturas de pecado, o egoísmo, injustiças, consumismo, desempregos, guerras, dependências de todos os tipos têm gerado o aprisionamento do homem e mulher, gerado sofrimentos físicos e espirituais. Daí, que ouvimos, Jesus com sua Palavra trouxe uma Boa Nova, vida nova, estilo novo de se relacionar com as pessoas, com Deus, a natureza e conosco mesmo. Sua presença gera dignidade, restaura a paz, comunhão e amor.

Enviado para libertar os cativos. A libertação operada por Jesus alcança todo gênero humano, tem dimensões cósmicas, pois toda a criação participa da redenção operada por Jesus e da glória de Deus. Jesus liberta-nos de forma integral do mal e dos males que nos afligem.  É Aquele que liberta o homem daquilo que limita, diminui e como que espedaça essa liberdade nas próprias raízes, na alma do homem, no seu coração e na sua consciência.

Quando fomos batizados, recebemos o Espírito Santo e enviados a testemunhar Jesus no mundo. Deixar-se conduzir pela ação do Espírito Santo. Ser sinal da presença de Deus onde estiver, vivendo com serenidade, simplicidade e perseverança os frutos desta libertação oferecida por Cristo. Assim, peçamos na oração de cada dia, sermos livres para amar e servir. Confiantes no poder da oração, nós possamos receber o Espírito Santo que desce sobre nós; e, deste modo, tornar-nos testemunhas de Cristo até às extremidades da terra, como aqueles que saíram do Cenáculo de Jerusalém no dia do Pentecostes.

Que Deus te abençoe sempre!

Pe. Pedro Nogueira da Silva Filho
Pároco da Paróquia Nossa Senhora de Fátima
Água Fria de Goiás