Diocese de Formosa-GO

27.7 C
Formosa
terça-feira, 11 agosto, 2020 - 16:48 PM

XVI Domingo do Tempo Comum

-

“O Reino dos Céus é…” (Mt 13,24)

O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus guardas lutariam para que não fosse entregue aos judeus. Mas, o meu reino não é daqui” (Jo 18,36). O Reino de Jesus não é deste mundo, é o Reino dos Céus. Um reino que não se impõe pela violência, por um discurso sedutor, pelo engano, pelo convencimento ou pela persuasão. É um reino que atrai pelo amor testemunhado na vida dos que creem, no qual se toma parte pela humildade da profissão da fé.

Os discípulos de Jesus são chamados a viver de tal modo que as suas vidas se tornem uma potente pregação do Reino dos céus. São Francisco de Assis costumava exortar aos seus irmãos de consagração dizendo: “Em tudo que fizerdes pregai o evangelho. Se for preciso usem também palavras”. Ou seja, a pregação da vida, do testemunho, precede e sustenta a pregação pelas palavras. E um mau testemunho desconstrói e lança em descredito aquilo que é anunciado pelas palavras.

Assim, os discípulos de Jesus são chamados a serem testemunhas do Reino dos Céus. Reino que é dos Céus não deste mundo. Porque o Reino dos Céus não se confunde com as estruturas terrenas de poder e dominação. É um reino caracterizado pela paciência diante do incômodo do mal, como é evidenciado na parábola do semeador: “Não! Pode acontecer que, arrancando o joio, arranqueis também o trigo. Deixai crescer um e outro até a colheita!” (Mt 13,29-30).

Os que creem no Senhor tem a paciência de suportar o incômodo da existência do mal, sem cair da tentação de querer eliminá-lo por si mesmo. Sabem esperar com confiança o dia do juízo, que porá fim a toda injustiça e mal que pesam sobre a humanidade. Na certeza que, nesta terra, bem e mal coexistem, dada a corrupção de toda a criação, mas que no Reino dos Céus, o Reino futuro, o mal não coexistirá com o bem. Na certeza que somente Jesus Cristo, o Senhor, pode eliminar o mal do mundo.

Quando o homem cai na tentação de querer eliminar o mal com as próprias mãos, termina por gerar males ainda maiores. Porque somente o bem pode vencer o mal, como nos exorta São Paulo: “Não te deixes vencer pelo mal, mas vence o mal pelo bem” (Rm 12,21). O Bem, por excelência é Deus. Ou seja, somente Deus pode vencer o mal. Unidos a Ele pela fé também tornamo-nos vencedores sobre o mal pelo Bem.

Aquele que cai na tentação de querer vencer o mal com suas próprias forças não está na lógica do Reino dos Céus. Aquele que age com espírito de vingança perdeu a esperança na justiça divina, passando a acreditar apenas na sua própria justiça, que é incapaz de realizar o bem.

O Reino dos Céus é ainda humilde, simples, discreto, como “uma semente de mostarda”. É um reino de humildade, não de prepotência e somente os humildes tomam parte nele já agora. Haja visto que o Reino dos Céus não tem nem terá a sua plenitude neste mundo, mas está presente na história em germe. Pela fé podemos ver e reconhecer os sinais do Reino dos Céus neste mundo. Aliás, pela fé somos chamados a antecipar a presença do Reino vivendo a caridade, promovendo o amor, a fé em Jesus Cristo, o serviço aos irmãos, a conversão.

O reino dos Céus não é uma conquista do homem, como os reinos deste mundo. O reino dos Céus é dom de Deus; por isso pedimos na oração: “Venha a nós o Vosso Reino!”. É a graça de Jesus Cristo que nos dá condições para sermos sinais do seu reino neste mundo. Pela fé, esperança e caridade é que se conquista o Reino dos Céus.

Por último, o Reino dos Céus é também como o fermento na massa. O fermento é invisível aos olhos, mas sem ele a massa não leveda, não cresce. Assim é o Reino dos Céus, invisível aos olhos dos que não tem fé, dos que não aceitam o reinado de Jesus Cristo sobre suas vontades, sobre suas vidas. O reino dos Céus acontece lá aonde se permite Jesus Cristo reinar. Se Cristo reina sobre sua vida, sobre sua família, sobre seu trabalho, sobre sua cidade, sobre sua nação, sobre a economia, a educação, a política, lá está o Reino dos Céus.

Pe. Hélio Cordeiro dos Santos
Formador do seminário maior N. S. de Fátima
Brasília – DF


Leituras: Sb 12,13.16-19 / Sl 85 (86) / Rm 8,26-27
Evangelho: Mt 13,24-43

Diocese de Formosa-GO
Diocese de Formosa-GOhttp://diocesedeformosa.com.br/
Criada em 16 de outubro de 1979, é uma circunscrição eclesiástica da Igreja Católica no Brasil, sufragânea da Arquidiocese de Brasília. Pertence à província eclesiástica de Brasília e ao Regional Centro-Oeste da CNBB.

Compartilhe

Últimas publicações

XIX Domingo do Tempo Comum

Deus nunca nos permite entrar numa tempestade sem que Ele venha em socorro da nossa fé Jesus nunca ordena aos seus discípulos nada sem que...

Evangelho NO HOJE (08/08/2020) – Mateus 17,14-20

Sábado da 18ª Semana do Tempo Comum Evangelho – Mateus 17,14-20 “A urgência em renovar nossa fé!” O Evangelho deste sábado traz uma importante reflexão sobre a...

XVIII Domingo do Tempo Comum

Deus é o alimento da noss’alma O homem é por natureza um ser sedento, descontente, incompleto, frágil, vulnerável. Mas ao mesmo tempo carrega dentro de...

Evangelho NO HOJE (01/08/2020) – Mateus 14,1-12

Sábado da 17ª Semana do Tempo Comum Evangelho – Mateus 14,1-12 “Nossa vocação ao profetismo” Começamos hoje uma nova jornada em nossa vida com o início do...

56 anos de vida do Pe. Eliton Cardoso (06/08)

 “Um bom pastor, um pastor segundo o coração de Deus é o maior tesouro que Deus pode conceder a uma paróquia e um dos...

Mais visitadas

Últimos comentários

X